FRUIÇÃO E ESCRITA II ENJOYMENT AND WRITING

Meninos, eu vi…!



O “caldo” dos organismos unicelulares, o enxame de abelhas e o grunhido dos ancestrais.

________________________________________________________

Nota: O texto a seguir representa minha visão do Encontro de Pensadores da Web, de 2007, no Rio de Janeiro, e foi publicado no extinto Globoonliners, da Globo,no Portal G1, em novembro de 2007.

_______________________________________________________________


Meninos, eu vi…!! O “caldo” dos organismos unicelulares, o enxame de abelhas e o grunhido dos ancestrais.


Hoje, eu ouvi a Beatriz Martins falar sobre como gerar qualidade na Web Participativa, com o público colocando a informação e o especialista monitorando o fluxo de informações. O Aloy Jupiara falou sobre o HoMyNEWS e sobre exemplos de quebra do paradigma da comunicação. E, ainda, informou que a Infoglobo transformou-se em produtora de conteúdo e transmissora de conteúdo por diversas formas, nas quais o usuário participa. Ouvi, também, o Aloy falar sobre a noção de Comunidade e se referir à figura da “Colméia e a Abelha”, ao falar da Web 2.0 e dizer que “o enxame guia a colméia”. E, que o jornalismo deve ser repensado.


O Nilton Bahlis dos Santos falou sobre “Gestão de Conteúdo” com a sociedade controlando, como mediador, pois, os especialistas têm seus interesses, as pessoas que estão interessadas têm interesse que dê certo. Como ele disse, a planta resulta de organismos unicelulares e é o “caldo”que propicia a reunião das células”. O mesmo ocorre nas comunidades virtuais e é o chamado Processo Emergente.


Segundo Bahlis, Web 2.0 compreende o emprego de máquinas no processo de comunicação. O conhecimento pode ser visto em seus aspectos tradicional e web, e, atualmente o sistema de mediação está sendo questionado, pois o “caldo” formado do movimento dos organismos unicelulares cria comunicação entre as partes.


O Henrique Antoun falou sobre os sistemas complexos adaptativos e o sistema de retroalimentação. E exemplificou, dizendo que a Web compara-se a um avião – queima etapas; a Internet é como a ferrovia – todas as estações são iguais, pois o trem passa necessariamente por todas elas. O Blog e as comunidades seriam a reunião de interesses diversos. Vale recordar que ”o enxame guia a colméia”, mas o sistema baseia-se em coisas anódinas, fáceis de vender, e que pode existir a alternativa especial. É a inovação, pois, no Blog, o leitor quer algo diferente do noticiário tradicional.


O importante é seguir as novas teorias e nomenclaturas, para acompanhar e evolução da Plataforma do Conhecimento, pois PROSUMERS são os produtores/ consumidores de informações nessa nova plataforma, somos nós, os Globoonliners, eu acrescento.

Marcos Cavalcanti comentou sobre o pensador e o fazedor de Web, que devem considerar o Bem Comum ao participar de fases de execução de Políticas Públicas, e fugir de lugares comuns e de estudos sobre “sexo dos anjos”.


O Robson Santos explanou sobre a Ergonomia dos processos na Web.


Importante a exposição feita pelo Carlos Nepomuceno, referindo-se a História da Comunicação e a Plataforma do Conhecimento, desde a expressão rudimentar oral, passando pela escrita; a leitura – baseada em manuscritos e tipografia; a digitação – com o computador, em 1940; com a Rede – a Internet, em 1994; e a atual fase de Web Participativa.


Assim a Web 2.0 é a plataforma da comunicação de muitos para muitos, uma comunicação de massa. Apesar disso, o universo de usuários da Web é movido por 20% dos usuários – os produtores, enquanto os 80% restantes são simplesmente usuários.


Os modelos de Rede, segundo Carlos Nepomuceno, historicamente, compreendem:

  1. Gestão de conteúdo sem comentários (sites atuais);
  2. Gestão de conteúdo com comentários (Globo Online);
  3. Gestão com Blogs e Comunidades (Globoonliners); e
  4. Gestão de Pessoas; Documentos Wikis (Wikipédia).



Foi assim, meus amigos do GO, que eu, Luiz Ramos Filho e o Carlos Junior participamos do Primeiro Encontro Regional sobre Pensadores de Web, realizado no dia 10 de novembro de 2007, na ESPM, no centro da cidade do Rio de Janeiro, com o objetivo de discutir sobre a necessidade de criar no Rio de Janeiro, um centro de excelência sobre Web 2.0. E nós, do GO, como pioneiros – produtores/usuários, certamente estaremos inseridos nesse contexto. Com idealismo, sem disputas, com solidariedade.


Nós, do GO, fazemos parte do futuro da Web – o Conhecimento do futuro.


Luiz Ramos


Foto: ramosforest©

Anúncios

julho 1, 2009 Posted by | blogger, Conhecimento, Globoonliners, Web 2.0 | 1 Comentário

Blogar e navegar é preciso


Blogar é preciso: vale a pena ler esse texto do Carlos Nepomuceno, em link.

Eu comentei lá:

“Carpe diem”. É isso aí.

Precisamos aprender a usar o blog, deixar de lado o medo da exposição, do comentário negativo, do comentarista mal intencionado, daquele mal educado. Pensa!

Precisamos aprender a conviver com opiniões contrárias imediatas, com nossos erros de conceito e de gramática. Só não erra quem não experimenta. Tenta!

Precisamos exercitar a mente, como exercitamos o físico. Enfrentar o novo convívio sócio-virtual, é preciso,como navegar sempre o foi. Publica!

Eu preciso aprimorar o uso do blog, aprender a conviver e a exercitar mais a mente.

Valeu mexer em meus brios.

Abraços

Luiz Ramos

Foto:ramosforest(c)

julho 1, 2009 Posted by | blogger, blogueiro, Web 2.0 | 1 Comentário

Memória do extinto blog


Criei novo espaço para republicar todos os meus textos do blog extinto em outro espaço da Web, de 2007 a 2009.

Visite:
https://luizramos2009.wordpress.com/

Abraços
Luiz Ramos

junho 8, 2009 Posted by | blogger, memoria, ramosforest | Deixe um comentário

Recordar é viver.


Recordar é viver, dizem, e eu fui aos meus arquivos buscar razão para reviver grandes momentos, resgatar amigos e textos, e relembrar bons momentos.


O texto que segue foi publicado em julho de 2007 naquele espaço que conhecemos e acabou arbitrariamente. Sempre vale a pena viver e reviver


__________________________________________________________________________


Há três meses, dia 28/04/2007, eu cheguei, atraído pelo Post de Tecnologia do Fábio Cerdeira. Gostei do lugar. Fiquei.


1. A Responsabilidade Social e a Ecoeficiência ninguém viu.


2. A Tradição Fotográfica trouxe-me Fábio Cerdeira, que me indicou minha madrinha, uma Graça – a Carpes.


3. A Responsabilidade Sócioambiental e as relações fornecedor/empresa/cliente/consumidor me trouxeram o Jorge Antonio. Já havia Graça no meu Post.


4. O Licenciamento Ambiental e o IBAMA, muito técnico, só atraíram uma Graça.


5. Como o anterior, o Meio Ambiente bem monitorado pelo GPS, foi pouco comentado. (Puxa vida, até no ciclismo o GPS é útil…


6. Ao Remo na Lagoa só compareceram os meus dois leitores de primeira hora.


7. Ninguém se interessou pelo Museu da Água. Mas o Post teve a Graça.


8. O ruído dos Movimentos das Plantas atraiu Jorge Antonio, Tere Tavares, Denise. A Graça permaneceu assídua.


9. Contabilidade, Economia e Meio Ambiente contabilizaram a presença da Denise e a chegada do meu amigo Adailto.


10. Um Caso do Meu Rio Abaixo (I) trouxe Dona Lucília, a mulher que impulsionou o Trenzinho do Caipira. No trem, vieram o Sérgio Serra, a Rose C., o Ricardo Calmon, o Adailto, a glinys christ, a Denise e a Tere. E nem fiquei sem a Graça.


11. Paisagem, palavra bonita, que se refere a lugar que deve ser sempre preservado, foi visitada por amigos antigos e os recém chegados Carlos Junior e Fabiana Oliveira.


12. Um Outro Caso do Meu Rio Abaixo (II) chegou de Maria Fumaça, repleta de amigos e a recém adotada – juntamente com uma comitiva de fadas, gnomos, bruxas, animais e poesia, a Madalena Barranco.


13. Eu fui à Caça de Animais e Plantas. Colhi grande safra fotográfica na companhia de antigos amigos e da então recente amiga Denise Solami.


14. Quando os Indígenas foram dizimados com a chegada do “descobridor”, só o Jorge Antonio, a Denise e a Graça compareceram.


15. Para percorrer em bicicleta o Caminho do Ouro pela Estreada Real, eu tive a companhia de vários amigos. Um expert em cicloturismo estava presente, o Jorge Antonio.


16. Uma curiosidade sobre o rio da foto do meu Blog nos levou ao Rio de Piracicaba. Com vários amigos, além da presença fugaz do Luis Santana, percorremos as bacias fluviais do Sudeste e do Sul do Brasil.


17. Eu me Lembro… Muitos amigos antigos se lembraram e também a Christina Cabral, que então chegava.


18. A Fruta do Dragão, exótica, chamou a atenção e despertou o paladar de muitos amigos, com exemplos de frutas exóticas e outras nativas do Brasil. O Ricardo Calmon falou de sua Amazônia. O Selmo Santos chegou saboreando o cacau.


19. O latido do Meu Cão Social atraiu a atenção de muitos amigos e trouxe a Eduarda Petry, a Ana Guimarães, a Renata Fern e o Carlos Oliveira.


20. Espantados pela Aranha e o Cupuaçu, só quatro amigos se interessaram por Biopirataria e Diversidade Biológica.


21. Caos Urbano trouxe alguns amigos para verem os danos sofridos pelas cidades.


22. Ao Ricardo falei, cometi uma poesia e muitos amigos compareceram, inclusive o Ricardo Calmon.


23. Convidados, muitos amigos compareceram, pois A Casa é Sua… Até a Lu Cavichioli e a Rosiris chegaram para tomar café de coador de pano à beira do fogão de lenha.


24. Uma ave marinha falou-me sobre a Baia de Babitonga. E seguiu sua viagem. A ave não voltou mais, mas muitos amigos estiveram comigo naquela Baia.


25. A Libélula e os Bioindicadores atraíram a atenção de antigos amigos e da Whane Veloso. Ficamos todos às margens de um curso d’água apreciando a paisagem.


26. Os Biguás no PAN chamaram a atenção de muitos amigos. Digo e repito: eram realmente 125 biguás. Eu contei.


27. Um Outro Caso do Rio Abaixo (III) sobre o Giuseppe Ghiaroni surgiu da curiosidade da Renata e da Rose C. sobre o Poema das Mãos. Não esclareci a autoria daquele poema, mas tive assunto para o tema.


28. Muitos e muitos amigos, como o Carlos Maria Sena, o José Carlos Rocha, a Adriana Ramos, o Ricardo Mainieri, o Djabal Maat, a Lucia Helena, o Marcelo Santos, o Gleidson P. Brito, a Jane Magalhães, o Edmilson Ramos Coutinho e outros mais compareceram. E o Moderador, e o pessoal de suporte técnico, que sempre ajudam, onde ficam?


E, além de todos os aqui citados, outros muitos amigos compareceram, às vezes nem comentaram e se foram. Mas todos têm voltado e estou certo de que voltarão sempre para um café em coador de pano ao lado do fogão de lenha, às margens de um rio, lendo uma poesia, “jogando conversa fora” em um barzinho na cidade ou em uma pousada no Caminho do Ouro na Estrada Real, ou em qualquer outro lugar, pois a Natureza não tem fronteiras. _______________________________________________________________________________


Luiz Ramos ©

Foto: ramosforest©

Environment,literaure, photography

maio 25, 2009 Posted by | amizade, blogger, memoria, ramosforest | Deixe um comentário

Recordar é viver.


Recordar é viver, dizem, e eu fui aos meus arquivos buscar razão para reviver grandes momentos, resgatar amigos e textos, e relembrar bons momentos.


O texto que segue foi publicado em julho de 2007 naquele espaço que conhecemos e acabou arbitrariamente. Sempre vale a pena viver e reviver


__________________________________________________________________________


Há três meses, dia 28/04/2007, eu cheguei, atraído pelo Post de Tecnologia do Fábio Cerdeira. Gostei do lugar. Fiquei.


1. A Responsabilidade Social e a Ecoeficiência ninguém viu.


2. A Tradição Fotográfica trouxe-me Fábio Cerdeira, que me indicou minha madrinha, uma Graça – a Carpes.


3. A Responsabilidade Sócioambiental e as relações fornecedor/empresa/cliente/consumidor me trouxeram o Jorge Antonio. Já havia Graça no meu Post.


4. O Licenciamento Ambiental e o IBAMA, muito técnico, só atraíram uma Graça.


5. Como o anterior, o Meio Ambiente bem monitorado pelo GPS, foi pouco comentado. (Puxa vida, até no ciclismo o GPS é útil…


6. Ao Remo na Lagoa só compareceram os meus dois leitores de primeira hora.


7. Ninguém se interessou pelo Museu da Água. Mas o Post teve a Graça.


8. O ruído dos Movimentos das Plantas atraiu Jorge Antonio, Tere Tavares, Denise. A Graça permaneceu assídua.


9. Contabilidade, Economia e Meio Ambiente contabilizaram a presença da Denise e a chegada do meu amigo Adailto.


10. Um Caso do Meu Rio Abaixo (I) trouxe Dona Lucília, a mulher que impulsionou o Trenzinho do Caipira. No trem, vieram o Sérgio Serra, a Rose C., o Ricardo Calmon, o Adailto, a glinys christ, a Denise e a Tere. E nem fiquei sem a Graça.


11. Paisagem, palavra bonita, que se refere a lugar que deve ser sempre preservado, foi visitada por amigos antigos e os recém chegados Carlos Junior e Fabiana Oliveira.


12. Um Outro Caso do Meu Rio Abaixo (II) chegou de Maria Fumaça, repleta de amigos e a recém adotada – juntamente com uma comitiva de fadas, gnomos, bruxas, animais e poesia, a Madalena Barranco.


13. Eu fui à Caça de Animais e Plantas. Colhi grande safra fotográfica na companhia de antigos amigos e da então recente amiga Denise Solami.


14. Quando os Indígenas foram dizimados com a chegada do “descobridor”, só o Jorge Antonio, a Denise e a Graça compareceram.


15. Para percorrer em bicicleta o Caminho do Ouro pela Estreada Real, eu tive a companhia de vários amigos. Um expert em cicloturismo estava presente, o Jorge Antonio.


16. Uma curiosidade sobre o rio da foto do meu Blog nos levou ao Rio de Piracicaba. Com vários amigos, além da presença fugaz do Luis Santana, percorremos as bacias fluviais do Sudeste e do Sul do Brasil.


17. Eu me Lembro… Muitos amigos antigos se lembraram e também a Christina Cabral, que então chegava.


18. A Fruta do Dragão, exótica, chamou a atenção e despertou o paladar de muitos amigos, com exemplos de frutas exóticas e outras nativas do Brasil. O Ricardo Calmon falou de sua Amazônia. O Selmo Santos chegou saboreando o cacau.


19. O latido do Meu Cão Social atraiu a atenção de muitos amigos e trouxe a Eduarda Petry, a Ana Guimarães, a Renata Fern e o Carlos Oliveira.


20. Espantados pela Aranha e o Cupuaçu, só quatro amigos se interessaram por Biopirataria e Diversidade Biológica.


21. Caos Urbano trouxe alguns amigos para verem os danos sofridos pelas cidades.


22. Ao Ricardo falei, cometi uma poesia e muitos amigos compareceram, inclusive o Ricardo Calmon.


23. Convidados, muitos amigos compareceram, pois A Casa é Sua… Até a Lu Cavichioli e a Rosiris chegaram para tomar café de coador de pano à beira do fogão de lenha.


24. Uma ave marinha falou-me sobre a Baia de Babitonga. E seguiu sua viagem. A ave não voltou mais, mas muitos amigos estiveram comigo naquela Baia.


25. A Libélula e os Bioindicadores atraíram a atenção de antigos amigos e da Whane Veloso. Ficamos todos às margens de um curso d’água apreciando a paisagem.


26. Os Biguás no PAN chamaram a atenção de muitos amigos. Digo e repito: eram realmente 125 biguás. Eu contei.


27. Um Outro Caso do Rio Abaixo (III) sobre o Giuseppe Ghiaroni surgiu da curiosidade da Renata e da Rose C. sobre o Poema das Mãos. Não esclareci a autoria daquele poema, mas tive assunto para o tema.


28. Muitos e muitos amigos, como o Carlos Maria Sena, o José Carlos Rocha, a Adriana Ramos, o Ricardo Mainieri, o Djabal Maat, a Lucia Helena, o Marcelo Santos, o Gleidson P. Brito, a Jane Magalhães, o Edmilson Ramos Coutinho e outros mais compareceram. E o Moderador, e o pessoal de suporte técnico, que sempre ajudam, onde ficam?


E, além de todos os aqui citados, outros muitos amigos compareceram, às vezes nem comentaram e se foram. Mas todos têm voltado e estou certo de que voltarão sempre para um café em coador de pano ao lado do fogão de lenha, às margens de um rio, lendo uma poesia, “jogando conversa fora” em um barzinho na cidade ou em uma pousada no Caminho do Ouro na Estrada Real, ou em qualquer outro lugar, pois a Natureza não tem fronteiras. _______________________________________________________________________________


Luiz Ramos ©

Foto: ramosforest©

Environment,literaure, photography

maio 25, 2009 Posted by | amizade, blogger, memoria, ramosforest | 4 Comentários

Recordar é viver.


Recordar é viver, dizem, e eu fui aos meus arquivos buscar razão para reviver grandes momentos, resgatar amigos e textos, e relembrar bons momentos.


O texto que segue foi publicado em julho de 2007 naquele espaço que conhecemos e acabou arbitrariamente. Sempre vale a pena viver e reviver


__________________________________________________________________________


Há três meses, dia 28/04/2007, eu cheguei, atraído pelo Post de Tecnologia do Fábio Cerdeira. Gostei do lugar. Fiquei.


1. A Responsabilidade Social e a Ecoeficiência ninguém viu.


2. A Tradição Fotográfica trouxe-me Fábio Cerdeira, que me indicou minha madrinha, uma Graça – a Carpes.


3. A Responsabilidade Sócioambiental e as relações fornecedor/empresa/cliente/consumidor me trouxeram o Jorge Antonio. Já havia Graça no meu Post.


4. O Licenciamento Ambiental e o IBAMA, muito técnico, só atraíram uma Graça.


5. Como o anterior, o Meio Ambiente bem monitorado pelo GPS, foi pouco comentado. (Puxa vida, até no ciclismo o GPS é útil…


6. Ao Remo na Lagoa só compareceram os meus dois leitores de primeira hora.


7. Ninguém se interessou pelo Museu da Água. Mas o Post teve a Graça.


8. O ruído dos Movimentos das Plantas atraiu Jorge Antonio, Tere Tavares, Denise. A Graça permaneceu assídua.


9. Contabilidade, Economia e Meio Ambiente contabilizaram a presença da Denise e a chegada do meu amigo Adailto.


10. Um Caso do Meu Rio Abaixo (I) trouxe Dona Lucília, a mulher que impulsionou o Trenzinho do Caipira. No trem, vieram o Sérgio Serra, a Rose C., o Ricardo Calmon, o Adailto, a glinys christ, a Denise e a Tere. E nem fiquei sem a Graça.


11. Paisagem, palavra bonita, que se refere a lugar que deve ser sempre preservado, foi visitada por amigos antigos e os recém chegados Carlos Junior e Fabiana Oliveira.


12. Um Outro Caso do Meu Rio Abaixo (II) chegou de Maria Fumaça, repleta de amigos e a recém adotada – juntamente com uma comitiva de fadas, gnomos, bruxas, animais e poesia, a Madalena Barranco.


13. Eu fui à Caça de Animais e Plantas. Colhi grande safra fotográfica na companhia de antigos amigos e da então recente amiga Denise Solami.


14. Quando os Indígenas foram dizimados com a chegada do “descobridor”, só o Jorge Antonio, a Denise e a Graça compareceram.


15. Para percorrer em bicicleta o Caminho do Ouro pela Estreada Real, eu tive a companhia de vários amigos. Um expert em cicloturismo estava presente, o Jorge Antonio.


16. Uma curiosidade sobre o rio da foto do meu Blog nos levou ao Rio de Piracicaba. Com vários amigos, além da presença fugaz do Luis Santana, percorremos as bacias fluviais do Sudeste e do Sul do Brasil.


17. Eu me Lembro… Muitos amigos antigos se lembraram e também a Christina Cabral, que então chegava.


18. A Fruta do Dragão, exótica, chamou a atenção e despertou o paladar de muitos amigos, com exemplos de frutas exóticas e outras nativas do Brasil. O Ricardo Calmon falou de sua Amazônia. O Selmo Santos chegou saboreando o cacau.


19. O latido do Meu Cão Social atraiu a atenção de muitos amigos e trouxe a Eduarda Petry, a Ana Guimarães, a Renata Fern e o Carlos Oliveira.


20. Espantados pela Aranha e o Cupuaçu, só quatro amigos se interessaram por Biopirataria e Diversidade Biológica.


21. Caos Urbano trouxe alguns amigos para verem os danos sofridos pelas cidades.


22. Ao Ricardo falei, cometi uma poesia e muitos amigos compareceram, inclusive o Ricardo Calmon.


23. Convidados, muitos amigos compareceram, pois A Casa é Sua… Até a Lu Cavichioli e a Rosiris chegaram para tomar café de coador de pano à beira do fogão de lenha.


24. Uma ave marinha falou-me sobre a Baia de Babitonga. E seguiu sua viagem. A ave não voltou mais, mas muitos amigos estiveram comigo naquela Baia.


25. A Libélula e os Bioindicadores atraíram a atenção de antigos amigos e da Whane Veloso. Ficamos todos às margens de um curso d’água apreciando a paisagem.


26. Os Biguás no PAN chamaram a atenção de muitos amigos. Digo e repito: eram realmente 125 biguás. Eu contei.


27. Um Outro Caso do Rio Abaixo (III) sobre o Giuseppe Ghiaroni surgiu da curiosidade da Renata e da Rose C. sobre o Poema das Mãos. Não esclareci a autoria daquele poema, mas tive assunto para o tema.


28. Muitos e muitos amigos, como o Carlos Maria Sena, o José Carlos Rocha, a Adriana Ramos, o Ricardo Mainieri, o Djabal Maat, a Lucia Helena, o Marcelo Santos, o Gleidson P. Brito, a Jane Magalhães, o Edmilson Ramos Coutinho e outros mais compareceram. E o Moderador, e o pessoal de suporte técnico, que sempre ajudam, onde ficam?


E, além de todos os aqui citados, outros muitos amigos compareceram, às vezes nem comentaram e se foram. Mas todos têm voltado e estou certo de que voltarão sempre para um café em coador de pano ao lado do fogão de lenha, às margens de um rio, lendo uma poesia, “jogando conversa fora” em um barzinho na cidade ou em uma pousada no Caminho do Ouro na Estrada Real, ou em qualquer outro lugar, pois a Natureza não tem fronteiras. _______________________________________________________________________________


Luiz Ramos ©

Foto: ramosforest©

Environment,literaure, photography

maio 25, 2009 Posted by | amizade, blogger, memoria, ramosforest | Deixe um comentário

Recordar é viver.


Recordar é viver, dizem, e eu fui aos meus arquivos buscar razão para reviver grandes momentos, resgatar amigos e textos, e relembrar bons momentos.


O texto que segue foi publicado em julho de 2007 naquele espaço que conhecemos e acabou arbitrariamente. Sempre vale a pena viver e reviver


__________________________________________________________________________


Há três meses, dia 28/04/2007, eu cheguei, atraído pelo Post de Tecnologia do Fábio Cerdeira. Gostei do lugar. Fiquei.


1. A Responsabilidade Social e a Ecoeficiência ninguém viu.


2. A Tradição Fotográfica trouxe-me Fábio Cerdeira, que me indicou minha madrinha, uma Graça – a Carpes.


3. A Responsabilidade Sócioambiental e as relações fornecedor/empresa/cliente/consumidor me trouxeram o Jorge Antonio. Já havia Graça no meu Post.


4. O Licenciamento Ambiental e o IBAMA, muito técnico, só atraíram uma Graça.


5. Como o anterior, o Meio Ambiente bem monitorado pelo GPS, foi pouco comentado. (Puxa vida, até no ciclismo o GPS é útil…


6. Ao Remo na Lagoa só compareceram os meus dois leitores de primeira hora.


7. Ninguém se interessou pelo Museu da Água. Mas o Post teve a Graça.


8. O ruído dos Movimentos das Plantas atraiu Jorge Antonio, Tere Tavares, Denise. A Graça permaneceu assídua.


9. Contabilidade, Economia e Meio Ambiente contabilizaram a presença da Denise e a chegada do meu amigo Adailto.


10. Um Caso do Meu Rio Abaixo (I) trouxe Dona Lucília, a mulher que impulsionou o Trenzinho do Caipira. No trem, vieram o Sérgio Serra, a Rose C., o Ricardo Calmon, o Adailto, a glinys christ, a Denise e a Tere. E nem fiquei sem a Graça.


11. Paisagem, palavra bonita, que se refere a lugar que deve ser sempre preservado, foi visitada por amigos antigos e os recém chegados Carlos Junior e Fabiana Oliveira.


12. Um Outro Caso do Meu Rio Abaixo (II) chegou de Maria Fumaça, repleta de amigos e a recém adotada – juntamente com uma comitiva de fadas, gnomos, bruxas, animais e poesia, a Madalena Barranco.


13. Eu fui à Caça de Animais e Plantas. Colhi grande safra fotográfica na companhia de antigos amigos e da então recente amiga Denise Solami.


14. Quando os Indígenas foram dizimados com a chegada do “descobridor”, só o Jorge Antonio, a Denise e a Graça compareceram.


15. Para percorrer em bicicleta o Caminho do Ouro pela Estreada Real, eu tive a companhia de vários amigos. Um expert em cicloturismo estava presente, o Jorge Antonio.


16. Uma curiosidade sobre o rio da foto do meu Blog nos levou ao Rio de Piracicaba. Com vários amigos, além da presença fugaz do Luis Santana, percorremos as bacias fluviais do Sudeste e do Sul do Brasil.


17. Eu me Lembro… Muitos amigos antigos se lembraram e também a Christina Cabral, que então chegava.


18. A Fruta do Dragão, exótica, chamou a atenção e despertou o paladar de muitos amigos, com exemplos de frutas exóticas e outras nativas do Brasil. O Ricardo Calmon falou de sua Amazônia. O Selmo Santos chegou saboreando o cacau.


19. O latido do Meu Cão Social atraiu a atenção de muitos amigos e trouxe a Eduarda Petry, a Ana Guimarães, a Renata Fern e o Carlos Oliveira.


20. Espantados pela Aranha e o Cupuaçu, só quatro amigos se interessaram por Biopirataria e Diversidade Biológica.


21. Caos Urbano trouxe alguns amigos para verem os danos sofridos pelas cidades.


22. Ao Ricardo falei, cometi uma poesia e muitos amigos compareceram, inclusive o Ricardo Calmon.


23. Convidados, muitos amigos compareceram, pois A Casa é Sua… Até a Lu Cavichioli e a Rosiris chegaram para tomar café de coador de pano à beira do fogão de lenha.


24. Uma ave marinha falou-me sobre a Baia de Babitonga. E seguiu sua viagem. A ave não voltou mais, mas muitos amigos estiveram comigo naquela Baia.


25. A Libélula e os Bioindicadores atraíram a atenção de antigos amigos e da Whane Veloso. Ficamos todos às margens de um curso d’água apreciando a paisagem.


26. Os Biguás no PAN chamaram a atenção de muitos amigos. Digo e repito: eram realmente 125 biguás. Eu contei.


27. Um Outro Caso do Rio Abaixo (III) sobre o Giuseppe Ghiaroni surgiu da curiosidade da Renata e da Rose C. sobre o Poema das Mãos. Não esclareci a autoria daquele poema, mas tive assunto para o tema.


28. Muitos e muitos amigos, como o Carlos Maria Sena, o José Carlos Rocha, a Adriana Ramos, o Ricardo Mainieri, o Djabal Maat, a Lucia Helena, o Marcelo Santos, o Gleidson P. Brito, a Jane Magalhães, o Edmilson Ramos Coutinho e outros mais compareceram. E o Moderador, e o pessoal de suporte técnico, que sempre ajudam, onde ficam?


E, além de todos os aqui citados, outros muitos amigos compareceram, às vezes nem comentaram e se foram. Mas todos têm voltado e estou certo de que voltarão sempre para um café em coador de pano ao lado do fogão de lenha, às margens de um rio, lendo uma poesia, “jogando conversa fora” em um barzinho na cidade ou em uma pousada no Caminho do Ouro na Estrada Real, ou em qualquer outro lugar, pois a Natureza não tem fronteiras. _______________________________________________________________________________


Luiz Ramos ©

Foto: ramosforest©

Environment,literaure, photography

maio 25, 2009 Posted by | amizade, blogger, memoria, ramosforest | Deixe um comentário

O Blog dinâmico

See NATURAL SHOT PHOTOS – My Sky Watch Friday now

Thinking about Web and Knowledge

_______________________________________________________

Reflexões sobre a Web e seus usuários após Seminário sobre Web, no Rio de Janeiro, em 2007.

Todos nós passaremos a competir com a qualidade e dinamismo desses merecidos ganhadores de Award quando os blogueiros em geral alcançarem a atenção e consideração dos responsáveis por essas áreas na mídia. Lutamos para chegar a esses prêmios e a essa consideração.

A Web Participativa veio para ficar. A produção de mídia não tem mais um dono, pois todos nós produzimos e consumimos conhecimento. Atualmente, considera-se que, no universo de usuários da Internet, os blogueiros ativos, que atuam como produtores de informação, correspondem a 20% do total, enquanto os restantes 80%, passivos, atuam como visitantes ou produtores eventuais de informação.

Neste contexto de inovação, a Web Participativa leva a questionamentos sobre como gerar qualidade, como quebrar a paralisia da comunicação e como acabar com o receptor passivo de informação.

A formação da Memória Coletiva, resultante do Processo Emergente (Bahlis) citado como o “caldo das células” ou dos enxames de abelhas (Henrique) põe em discussão, inclusive a figura da mediação, pois o próprio ambiente do blog se purifica e expele os maus usuários.

Para prosseguir no caminho da consolidação dos usuários como instrumento de produção e consumo de informações,pois somos produtores/consumidores (prosumers), precisamos nos conscientizar que o posicionamento e a presença de cada um é importante para alcançar a participação plena na Web do futuro.

Luiz Ramos

abril 3, 2008 Posted by | blogger, usuário, Web | 12 Comentários